A vida é amarga, mas a carga é doce

Os óculos sobrepostos tentam uma melhor ótica sobre o que a realidade lhe propõe - Foto: Patrícia Milão

– Prazer, Antonio Carlos.

Ele me estende a mão, nos cumprimentamos. Vamos até um salão que se assemelha a um restaurante popular, com várias mesas de madeira dispostas no espaço, cobertas por toalhas estampadas de flores.

Ele, eloquente como apenas um criado em meio político pode ser, explica com um pensamento a determinação da qual se encheu para ir embora. A verdade sobre como o ser humano se mostra: quase por completo. A porcentagem restante, única e pequena, é a que o íntimo conhece e desconhece ao mesmo tempo. A que faz um homem sair de casa.

"Hoje eu estou assim com Deus: se eu ficar vivo é um favor que ele me faz. Se eu não estiver, dois.” – Foto: Patrícia Milão

Nos sentamos no canto perto da janela, por onde o sol  adentrava clareando o ambiente e os vários moradores que, um em cada canto, faziam sua parte descascando um por um das centenas de dentes de alho dos baldes.

Morador de rua desde 2000, já passou por muitas cidades. Alcoólatra, ex-pai de família, cinco filhos, tendo destes, quatro vivos. Foi embora dizendo que ia comprar um maço de cigarros. Nunca mais voltou.

 

“O amor de infância é o melhor que tem (...) a sinceridade da infância é tocante, uma espada (...) derruba qualquer gigante”, diz lembrando da infância dos filhos – Foto: Patrícia Milão

Aos 55 anos de idade, Antonio Carlos inicia explicando os vários costumes que um morador de rua pode adotar. Ele é o do estilo cíclico, já passou pelas ruas e agora está na Casa de Apoio aos Irmãos de Rua na cidade de Tatuí, sudoeste de São Paulo. Cíclico pois alterna sua estadia da Casa para as ruas ou outra instituição.

O abrigo é cheio, mas quase não se ouve vozes. Enquanto  a entrevista prossegue e a  câmera é pega  para algumas fotos,  alguns olhos desconfiados, de não moradores de rua, vigiavam fixa e duramente. Já os moradores, pareciam nem notar a movimentação incomum.

Veio de São Paulo, cidade na qual tinha uma vida financeira razoável quando comparada a de Bill Gates, que, para seu Antonio, é quem tem uma vida boa. Ele passou por dificuldades judiciais que tiraram seu nome do mercado de trabalho. Exercia engenharia civil pela Prefeitura de São Paulo e teve seus direitos como profissional caçados.

 

Alguns moradores de rua almoçam enquanto seu Antonio Carlos segue até seus projetos. No caminhão, a frase traduz as emudecidas e solitárias faces : “A vida é amarga, mas a carga é doce” – Foto: Patrícia Milão

Junto aos transtornos do processo e o desemprego, procurou vender seus projetos para escritórios de engenharia, já que não podia os assinar. Neste contexto, o convívio familiar foi modificando e os problemas surgindo.

Já na rua, ele se subsistia com pequenas prestações de serviço e vivia junto à mãe que estava doente. Compartilhavam o alcoolismo.

Um viajante. “Quando você não tem um lugar para voltar, automaticamente, se é um viajante” – Foto: Patrícia Milão

Após a morte da mãe, seu Antonio passou por diversas cidades até chegar, por meio do ex-cunhado, à Tatuí. Abrigado em um lar administrado por instituição evangélica ele preferiu sair e seguiu à Casa de Apoio aos Irmãos de Rua, lugar para onde voltou recentemente após uma temporada no estado do Rio Grande do Norte.

Ele se debruça sobre a planta. Esta é a parte da entrevista em que mais gesticula, explicando parte a parte do projeto – Foto: Patrícia Milão

 

Analisando as decisões que mudaram o curso de sua vida, ele não se arrepende. Continua trabalhando, inclusive para a Casa de Apoio, planta a qual mostra e explica as mudanças e procedimentos.

Sem contato com a família e sem perspectivas, ele diz que o maior amor que teve na vida foi por seus filhos na faixa do zero aos sete anos, e que hoje tem amor a cada coisa que faz. Mas é nítido ao que tem mais paixão: aos projetos.

+Links:

+Fotos: http://www.flickr.com/photos/62118244@N05/sets/72157626827334123/

+Áudios :http://soureporter11.podomatic.com/

Share

Patrícia Milão

milao.patricia@gmail.com http://www.feicaodefoca.blogspot.com

2 comentários em “A vida é amarga, mas a carga é doce

Deixe uma resposta para Valinda Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*