Agricultura de Precisão: Solução para o Agricultor, para o Brasil e o Mundo

Post By RelatedRelated Post

O agricultor que busca novas maneiras e tecnologias para aumentar a produção de sua lavoura, com eficiência, economia e diminuindo o impacto ambiental, pode encontrar na Agricultura de Precisão (AP) uma possibilidade para fazê-lo.

A adoção da agricultura de precisão possibilita ao produtor rural tratar a variabilidade do solo, maximizando a produção em determinadas áreas, distribuir insumos em proporções variadas evitando o desperdício de fertilizantes, e com um planejamento gerencial desde a logística até a colheita, é possível aumentar a lucratividade e trazer sustentabilidade ao meio rural.

De acordo com o agrônomo Lucas Rios do Amaral, os produtores brasileiros começam a utilizar a AP a partir da análise cega do solo, sem conhecimento antecipado da variabilidade. Lucas ainda disse que o produtor que desejar implantar a agricultura de precisão deve primeiramente fazer um mapa de produtividade de sua lavoura, verificando a variabilidade da produção, após isso, fazer a análise em grade regular do solo que irá examinar as diferentes particularidades nos mais variados setores da lavoura e assim obter as informações necessárias para proceder no tratamento dessa variabilidade.

Após quase vinte anos da prática ser iniciada no Brasil (1995, com a importação dos primeiros equipamentos com GPS e utilização de sistemas mapeamento geográficos- SIGS), pequenos agricultores ainda ignoram os benefícios de aderir a AP, principalmente porque a agricultura de precisão esteve muito tempo relacionado apenas com a compra de maquinários e equipamentos tecnológicos caros, que impossibilitava sua utilização na agricultura familiar, mas trata-se de um método de gestão que envolve todo sistema de produção agrícola e com um mínimo de tecnologia e conhecimento já é possível trabalhar com a AP.

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) conta com um grupo de pesquisas com mais de 200 pesquisadores distribuídos em várias unidades da Embrapa no Brasil que buscam gerar conhecimentos e desenvolver tecnologias para que agricultura de precisão seja acessível desde os grandes produtores rurais até para a agricultura familiar. O pesquisador Ricardo Inamasu da Embrapa Instrumentação de São Carlos, líder do grupo, citou sobre desafio de levar a AP aos pequenos agricultores, “Agricultura de precisão era muito conhecida pela eletrônica, mas poucos sabiam o motivo pelo qual essa eletrônica traz retorno econômico ao agricultor. Também tinha um preconceito de que era caro e sofisticado de mais para a nossa agricultura. Hoje podemos dizer que ajudamos a popularizar a AP, inclusive para agricultura familiar”.

Édson Luis Bolfe, chefe-adjunto de pesquisa & desenvolvimento da Embrapa Monitoramento por Satélite comentou a importância da utilização das imagens de satélites pelos agricultores brasileiros “As imagens de satélite auxiliam no direcionamento da amostragem das atividades de campo e apoiam o gerenciamento da produção, principalmente no monitoramento de safras, possibilitando a aquisição de dados da área plantada nas diferentes fases vegetativas”.

Para o produtor ou administrador rural que deseja conhecer mais sobre os conceitos e tecnologias da agricultura de precisão o SENAR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) criou programa de treinamento que capacita os interessados em utilizar a AP em sua propriedade rural. O curso conta ainda com parcerias da Embrapa, universidades e várias empresas que oferecem equipamentos para AP.

Apesar da AP ainda não ser utilizada pela maioria dos proprietários rurais brasileiros, a sua adesão continua crescendo progressivamente, principalmente por proprietários mais jovens que são mais propensos a buscar na tecnologia uma maneira de aumentar a produtividade sem necessidade de ampliar as extensões de terras.

Além disso, muitos pesquisadores acreditam que a AP pode ser um dos meios necessários para solucionar a necessidade constante de produzir cada vez mais alimentos para abastecer a crescente população mundial e também transformar o Brasil na maior potência agrícola mundial.

Share

UM COMENTÁRIO

  1. Aluno de Jornalismo da UNIMEP

    fcarmo1988@gmail.com

DEIXE UM COMENTÁRIO

Email (will not be published)

*