ALÉM DE MIM

Post By RelatedRelated Post

Algumas patologias possuem, como uma opção visando a melhora da qualidade de vida do paciente, o transplante do órgão afetado por um novo. Essa cirurgia envolve diversos aspectos tanto físicos, como psicológicos e até mesmo jurídicos.

A existência do transplante é motivada por uma doação, seja por morte encefálica onde o paciente não tem mais as funções cerebrais, mas ainda coordena outras funções do corpo, como os órgãos e por doação espontânea, onde é possível se prontificar a doar um órgão em vida para um amigo, algum familiar ou até mesmo se cadastras em listas de doações.

Neste caso, os órgãos que são passíveis de doação em vida são:

  • Rim.
  • Pâncreas (parcialmente);
  • Medula Óssea (se compatível, feita por meio de aspiração óssea ou coleta de sangue).
  • Fígado (apenas parte dele, em torno de 70%);
  • Pulmão (apenas parte dele, em situações excepcionais)

 

Para que um paciente esteja na fila de transplante, o caminho percorrido por ele com certeza não foi fácil. Desde os 22 anos as dores de cabeça se tornaram companheiras de Juliana Bellin, por exemplo. Aos 25 anos mais um problema: sua pressão arterial começou a subir muito. Aos 28, após ter a sua primeira filha, sua situação piorou: muita falta de ar e inchaço no corpo. Enfim veio o laudo médico: um dos rins já estava paralisado. Todo esse diagnóstico também teve outros destinos entre os milhares de brasileiros, em especial a Mara Stella e o Manoel Ferreira.

Outra semelhança entre os casos foram o extenso número que os listavam na lista de receptores. Esbarraram nos tratamentos psicológicos, nos procedimentos médicos que visavam prolongar a vida, no desespero, mas nunca imaginaram que a salvação estaria tão perto: um exame de sangue. O amor que sustentou todo o início de tratamento, sustentou também a salvação de três vidas. A compatibilidade de familiares, que se dispuseram a acabar o sofrimento desses pacientes, resultou na maior prova de amor e esperança que poderiam ter: o transplante intervivos.

Mesmo com fiscalizações pesadas e a segurança que instituições médicas passam dizendo que o transplante de um órgão de forma irregular é difícil, ele ainda acontece. E você? Sabe quanto custa um órgão?

Com alegria, todos puderam receber os resultados celebrando novamente a vida. Juliana viu sua mãe doar um rim da mesma forma que Mara Stella teve a doação de seu marido. Manoel viu seu irmão deixar o Japão e retornar ao Brasil para trazer a vida. Porém, todos tiveram que se atentar as questões jurídicas e principalmente psicológico.

 

Por isso, todo o conteúdo produzido pelos alunos do 7º semestre de Jornalismo no site fermazi.wixsite.com/alemdemim trabalha as principais questões que envolvem esse universo: o ínicio, o processo e a mudança de vida. Confira todas as reportagens com os médicos especialistas em transplante, psicóloga e os depoimentos dos pacientes. Acompanhe também  o instagram @alemdemim2017 e fique por dentro de todos os assuntos que englobam o tema.

 

 DOCUMENTÁRIO

“Além de mim” é um documentário emocionante e humano sobre os procedimentos de transplante de órgãos realizados ainda em vida. Ele retrata, nos relatos de pacientes, as várias fases do transplante como a descoberta da doença, o procedimento e a mudança de vida. São histórias de como pessoas comuns puderam alterar o rumo de uma existência com o simples poder da palavra: sim.

Assista ao documentário completo:

*Site produzido pelos alunos do 7º semestre Caroline Castilho, Daiane Santos, Fernanda Mazi, Laís Carvalho, Pedro Gaspar e Tiago Marquesini para a disciplina de Reportagem Multimídia.

Orientação Prof. Wanderley Garcia

*Documentário produzido pelos alunos do 7º semestre Caroline Castilho, Daiane Santos, Fernanda Mazi, Laís Carvalho, Pedro Gaspar e Tiago Marquesini para a disciplina de Telejornalismo II.

Orientação Profa. Ana Maria Cordenonssi

Share

Laís Carvalho

DEIXE UM COMENTÁRIO

Email (will not be published)

*