Americana tem o mínimo de unidades de saúde que é o recomendado

Post By RelatedRelated Post

Em julho deste ano, a Secretária de Saúde da cidade de Americana, Mirella Povinelli, junto ao prefeito Omar Najar, informou que o número de unidades básicas de saúde do município seria reduzido de 24 para apenas 13 . De acordo a secretária, as UBSs que seriam fechadas, eram por serem pequenas e terem estrutura precária. Além disso, o Hospital Infantil André Luiz, também encerraria suas atividades, passando a ser aglutinado a UPA São José (que seria reaberta após 8 meses fechada).

No entanto, essa radicalização está no limite que a Política de Nacional de Atenção Básica (PNAB) indica. A Política Nacional de Atenção Básica prega que é necessário haver uma equipe de saúde em atendimento à família para cada grupo de 6,5 mil pessoas. Sendo assim, a cidade de Americana precisaria ter 35 equipes de saúde da família atuando entre  13 a 15 UBSs (além do Hospital Municipal e das UPAs), para melhor atendimento a população. A PNAB não estipula uma quantidade exata de unidades básicas de saúde que são necessárias em cada cidade, porém, cita que as equipes de atendimento a família são fundamentais terem a quantidade certa, para que assim o município tenha mais eficiência no setor da saúde.

O médico e professor do curso de medicina da PUC-Campinas, Pedro Tourinho, explica que em Americana, uma média de 140 mil pessoas depende do sistema público de saúde e por isso há de ter esse índice de no mínimo 13 unidades para que o sistema público de saúde seja adequado e de qualidade. Porém, o próprio município tem autonomia para decidir a quantidade que a cidade terá.

Em contato com a Secretaria de Saúde, o órgão prega que sua filosofia é o de dar uma assistência de qualidade para a população. “Mais importante do que a quantidade de postos médicos abertos é a efetividade e eficiência no atendimento da comunidade”, explica a assessoria de imprensa do órgão.

O  estudante de direito, Paulo Martins, 21, diz que entende as mudanças como sendo conseqüências de uma má gestão que já era exercida muito antes. “É normal ver a população americanense reclamando especialmente do fechamento do André Luiz, mas, a esperança é de futuramente enxergarmos que tudo isso valeu a pena e que a saúde de Americana é ao mínimo regular”, comenta Martins.

 

 

UPA São José em funcionamento (Onde o Hospital André Luiz foi instalado) Foto: Isabela Sabéllico

UPA São José em funcionamento (Onde o Hospital André Luiz foi instalado) Foto: Isabela Sabéllico

A Secretaria de Saúde rebateu as queixas na imprensa: “A ouvidoria não registrou nenhuma reclamação de usuários do sistema público por conta das mudanças que foram efetuadas, além disso, o órgão reitera que nenhum paciente está desassistido”, relata a assessoria do setor. A Secretaria de Saúde garante que até o final do ano mais mudanças vão ocorrer.

A reportagem tentou contato com o Conselho Municipal de Saúde, mas não houve uma resposta até o fechamento desta matéria.

Fechamento das UBS

Em julho uma polêmica se formou quando a Secretária de Saúde, Mirella Povinelli, informou que o número de unidades básicas de saúde seria reduzido de 24 para apenas 13. De acordo a secretária, as modificações ajudariam a diminuir o impacto da folha de pagamento salarial do município, que estava ultrapassando o limite de 54% que é estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).  Com o fechamento dos prédios, a promessa foi que o horário de atendimento seria ampliado e possuiria uma melhor qualidade e estrutura aos pacientes. O cronograma divulgado à imprensa na época estabelecia as seguintes alterações:

Isabela

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Para as unidades  Mathiensen, Alvorada, Central e Jaguari, não foram programadas alterações. Até o momento, foram feitas mudanças somente no Hospital André Luiz que teve suas atividades encerradas e o pronto-atendimento pediátrico está sendo na UPA São José, que foi reinaugurada e já está atendendo. Houve também a aglutinação dos postos Caic, Mário Covas e Parque da Liberdade, dentro da unidade básica Parque Gramado.

Share

Isabela Sabéllico

DEIXE UM COMENTÁRIO

Email (will not be published)

*