Moradores da Comunidade Frederico vivem ao lado do perigo

DSC_0084
Comunidade divide espaço com a natureza (Fotos: Stefanie Araujo)

Sons da natureza misturam-se ao volume alto de músicas de todos os gêneros, ao mesmo tempo em que conversas de diferentes assuntos ocorrem. Acima, um céu azul; abaixo, muitas árvores. Do outro lado, tijolos e madeiras formam casas e barracos. É nesse ambiente que moradores da Comunidade Frederico, no bairro Bosques do Lenheiro, vivem.

O processo de invasão teve início em 2013, em uma APP (Área de Preservação Permanente) e, desde então, novos moradores chegam a cada mês. Hoje, a comunidade abriga 655 famílias. Segundo estatística do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mais de 11,4 milhões de pessoas moravam nos chamados aglomerados subnormais, como favelas e ocupações, em 2010.

Quem vê o sorriso no rosto de Quésia Possidônio, 25, acredita que ela vive feliz e sem problemas. Moradora da Comunidade Frederico há 1 ano e um mês, a faxineira revela que o riso serve para amenizar as dificuldades enfrentadas na comunidade. “Minha maior dificuldade é quando chove, pois enche de lama, fica difícil para quem tem criança para levar na escola, passar com carro, fica um caos”.

A comunidade enfrenta diversos problemas, não só quando chove. Thalita Alves da Silva, 22, líder comunitária conta que vários projetos estão em pauta para solucionar parte das dificuldades. “Nós estamos com projeto da campanha do agasalho, pois aqui é muito frio e tem muitas famílias com crianças que estão passando necessidade, sem coberta, sem roupa de frio”. Thalita explica que pretende melhorar a vida dos moradores da comunidade, apesar da pouca idade, a jovem tem muitos planos. “A gente tem uma campanha para tirar as crianças da rua, melhorar as condições de vida, tanto de crianças quanto de idosos”.

DSC_0036 (2)
Corredor que divide as moradias

São inúmeros os problemas apontados pelos moradores. “Tem bicho, muita aranha, cobra, a gente vive, bem dizer, no risco”, destaca Andreia Batista, 34. A insatisfação ganha espaço a cada barraco visitado e a sensação de desconforto se destaca nas expressões dos moradores. “Eu não me sinto bem[morando na comunidade], pois tem a rede de esgoto, não é concretado, tem bastante mato por perto, entra bicho por baixo das casas”, conta Maicon Felipe Jacuneli de Souza, 20.

A Prefeitura de Piracicaba informou que nada pode ser feito por se tratar de uma invasão de APP. Diante dessa situação, a Prefeitura é proibida por lei de realizar qualquer intervenção, além de ser obrigada a pedir a desocupação na Justiça”. Enquanto isso, o ambiente conturbado da Comunidade Frederico permanece o mesmo, ao andar de um extremo a outro percebe-se que a situação e problemas se repetem, o que muda são apenas os endereços.

 

 

 

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*