Diário de bordo

Começaram as aulas novamente, e relatarei nesse diário minha experiência no semestre passado (o primeiro de 2011). Nossas aulas eram todas as segundas feiras, com metade da turma, pois a sala era dividida. No inicio fiquei totalmente perdida, pois as pessoas eu normalmente eu fazia grupo estava na outra sala. Mas o que era preocupação se transformou em algo bom para mim, pois conheci melhor pessoas que nunca pensei em trabalhar, e foi bem proveitoso.

Mas minha dificuldade maior ainda estava por vir. Nossa primeira pauta do grupo, faculdades públicas X faculdades particulares. Meu Deus, achei dificílima a pauta, pois minha visão de faculdade publica e particular era muito distinta da do grupo, pois só quem já esteve dentro das duas como eu para saber que nada é tão mal quanto todos pensam, e nem tão bom quanto muitos pregam.

Minha pauta nesse tema era falar da rivalidade entre essas faculdades, ai que começou meu dilema. Não achava fontes, ninguém queria falar e nem se expor. E todas as vezes que entregava para o professor minha matéria, sempre tinha que melhorar algo, ou refazer, ou mudar coisas. E eu que sempre fui neurótica por perfeição, acho que não aguentei as críticas, e tive (como nos ensinou nosso novo professor de sociologia social) um colapso psicossomático. Tive gripes fortes de ficar de cama, problemas no fígado, e para terminar uma bela pedra no rim, que me rendeu algumas faltas e muita dor e choro.

Mas como o consenso geral diz no fim tudo se resolve, e se resolveu. Postei minha primeira matéria.

Na segunda pauta essa eu gostei, e muito. O nosso grupo ficou encarregado de escrever sobre problemas em sua cidade que entra ano e sai ano e ele está sempre lá.

Não conseguia pensar em nada, mas uma colega do sétimo semestre me deu uma idéia, mas no fim o problema já tinha se resolvido. E fiquei pensando por dias o que escrever e nada me vinha na cabeça, até que minha cabeleireira pela 3ª em menos de dois meses foi assaltada em seu salão, ai me veio a inspiração. Escrevi sobre segurança pública. Tive muitas fontes, o que não é difícil se imaginar. De pessoa que teve o carro roubado, a comerciante seqüestrado.

Mas o semestre foi muito proveitoso, aprendi que namorado não é fonte, que sempre precisamos dar o direito de resposta, que noticias para internet precisam ser multimídias, que não devo me cobrar tanto e que nunca faça um vídeo de frente para o sol, pois vai ficar tudo branco.

E foi esse meu semestre, até mais.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*