Diversidade marca o último dia da Mostra Acadêmica

(foto: Leonardo Coutinho)
(foto: Leonardo Coutinho)

O 16° Seminário de Extensão de alunos e professores da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) foi realizado no átrio da biblioteca do campus Taquaral na noite da quinta-feira (6). No total foram 55 projetos apresentados durante a exposição, dando a oportunidade aos estudantes e docentes relatarem suas experiências no período em que estiveram em contato com comunidades em diversos pontos do país. O Seminário fez parte da 12ª Mostra Acadêmica da Unimep.

O que se viu foi uma diversidade de temas abordados pelos estudantes, desde o uso da pedagogia e da música na educação infantil até histórias da ditadura civil militar.

A aluna do 2° semestre de jornalismo, Mariana Ciscato, foi autora de um dos trabalhos que mostrava a experiência de visitar uma comunidade indígena na cidade de Brasilândia, Mato Grosso do Sul. Mariana disse que conviver uma semana com pessoas em situações precárias e muito carentes de atenção deixou uma marca muito forte. “Os indígenas sofreram demais, e mesmo assim não perderam a alegria que eles tinham. Isso marca a nossa vida e nos faz refletir sobre a nossa realidade”.

Para a organização do evento, os projetos de extensão contribuem para a democratização do conhecimento, respeitando e utilizando os saberes populares locais na construção de um novo e mais amplo conhecimento. Privilegiam a interação entre a academia e a comunidade, favorecendo a troca de saberes e conhecimentos através de atividades com a participação da comunidade.

Uma das avaliadoras dos trabalhos, Fabiola de Oliveira, diz que a extensão universitária é uma oportunidade de o aluno entender o tripé que é o ensino, pesquisa e extensão. “Eles conseguem entender que a universidade não é só sala de aula, que existe um mundo no qual a universidade pode fazer grandes contribuições”.

Outro projeto que chamou a atenção foi o da aluna Paula Batistela, que cursa o 10° semestre de psicologia, e consiste na

(foto:Leonardo Coutinho)
Paula Batistela,aluna de psicologia (foto:Leonardo Coutinho)

abordagem sobre drogas na cidade de Senador La Rocque , no Maranhão, pelo do projeto Rondon. Quando fala-se sobre drogas, o conceito popular sobre o tema é limitado e é comum a abordagem partindo dos malefícios que elas podem causar à saúde das pessoas. Paula descola-se dessa visão ao tratar o tema de maneira oposta, focando no contexto social deste fenômeno através de uma reflexão para busca do conhecimento verdadeiro e científico do problema social das drogas.

Para a estudante, foi positivo o resultado obtido com essa experiência. “Foi possível constatar que alguns paradigmas foram quebrados por conta daquele conhecimento passado”.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*