Rodoviária de Piracicaba deixa de cobrar preço de banheiro

O TRI (Terminal Rodoviário Intermunicipal de Piracicaba) está cumprindo a lei que proíbe a cobrança pela utilização de sanitários em todas as rodoviárias do estado de São Paulo. Antes de a lei entrar em vigor, passavam de 10 a 15 mil pessoas por dia na rodoviária. Como a catraca está livre, não há mais o controle de quantas pessoas utilizam os banheiros.

Banheiros Masculino e Feminino - Foto: Elisabete Alhadas

O valor antes cobrado de R$ 1,00 pela ficha era revertido em pagamento de contas de água e produtos de limpeza. Procurando continuar atendendo a população com os mesmos padrões de limpeza e higiene, a administração do TRI está em fase de adaptação.

 

Laércio Mello, administrador do TRI - Foto: Elisabete Alhadas

Com a liberação dos banheiros ao público, pessoas que ficam em torno da rodoviária e que vem do centro passam a utilizá-los, aumentando o fluxo de usuários e a preocupação com quem entra e quem sai da rodoviária. “Quando você libera, todo mundo tem que usar o banheiro, até pessoas que não estão na rodoviária e que não tem nada pra fazer nela. O grande problema é o entorno da rodoviária, muita gente ociosa que antes não vinha pra cá por não ter um motivo passam a vir, acabam ficando e até incomodando.” explica Laércio Mello, administrador do TRI.

Preocupações com a segurança fazem com que Lúcia Lima, funcionária de uma das empresas de ônibus, fique apreensiva quanto ao uso dos sanitários. “Com a entrada de qualquer tipo de pessoa, você pode ir e dar de cara com alguém querendo te assaltar. Não é preconceito, é um receio de cada um”.

Glorimar Rodrigues, também funcionário de uma empresa de ônibus, concorda com a lei “É legal, é ótimo, porque é direito de todo mundo usar o banheiro para suas necessidades, todos devem usar de graça”.

Alice Costa soube da lei por sua colega de trabalho, para ela os sanitários da rodoviária continuam limpos, e fez uma comparação com os banheiros públicos do Terminal Central. “Os banheiros daqui da rodoviária são limpos, não são sujos como o do Terminal do centro.”

Muitos usuários ainda desconhecem da lei. “Alguns ainda estão meio perdidos, em média 20 pessoas vêm aqui por dia para comprar fichas”, diz Rafaela Penteado funcionária da banca de revistas do TRI.

A lei entrou em vigor dia 15 de setembro. Quem descumprir a lei estará sujeito a uma multa diária de 300 Ufesps (Unidades Fiscais do Estado de São Paulo), equivalentes a R$ 5.235.

Share

Jéssica Rodrigues

Estudante do curso de Jornalismo da Unimep. jarsantos3@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*