Filhos e home office na pandemia

A tarefa de trabalhar, cuidar da casa, dos filhos, nunca foi fácil, mas atualmente a rotina de home office está cada vez mais presente em tempos de pandemia, ou seja, fazer tudo isso ao mesmo tempo e compartilhar o ambiente com a família.

Segundo a Consultora de Negócios, Flávia Brito, é entediante para o filho e desgastante para ela, pois é a mesma rotina todos os dias dentro de casa, mas reconhece alguns pontos positivos. “Realizamos todas as refeições juntos, estamos nos conhecendo mais.”

Porém existem pontos negativos. Ela relata que seu filho de quatro anos já invadiu uma reunião, e exigiu atenção na frente de todos. “Eu pedi desculpa para os colegas, atendi o que ele queria, depois voltei, mas se é uma reunião acalorada que exige mais concentração, acaba atrapalhando sim. Mas a maioria das pessoas entende, pois tem filhos e passam pela mesma situação”, afirma Flávia.

De acordo com a pedagoga Deivila Moraes a maior queixa dos pais é não conseguir disciplinar os filhos para realizarem as atividades escolares. “Os pais precisam estabelecerem uma rotina para a criança entender o que ela precisa fazer, outra sugestão é evitar brinquedos eletrônicos e induzir o filho a brincar com brinquedos de pecinha, para estimular a imaginação.’’

A pedagoga também indica jogos com tabuleiros e massinhas, pois na frente da TV a criança vai ser um receptor de informação pronta, em consequência diminui a capacidade de criar e atrapalha no desenvolvimento.

O isolamento forçado pela pandemia traz a sobrecarga emocional não só para as crianças, o adulto também, pois o convívio 24 horas com a mesma pessoa gera um aumento de conflitos afirma a psicóloga Marcela Marques. Ela relata que a insegurança financeira, o medo de contrair o vírus, os desencontros de informação sobre a doença, aumentam a intolerância, estresse, e com isso o convívio se torna cada vez mais difícil. “Atualmente os casais mais jovens dificilmente tenta o diálogo, a troca de parceiro parece ser mais atrativo para solucionar os problemas, convivendo 24 horas o diálogo aconteceria de uma forma incorreta.”

Outro fator importante que a psicóloga relata é o estresse que as mulheres passam por realizar múltiplas funções, dona de casa, mãe, esposa e profissionais, tudo ao mesmo tempo por 24 horas. Para alguns homens também não foi fácil mudar a rotina de trabalho, e administrar a vida pessoal e profissional acontecendo tudo ao mesmo tempo, isso pode ter sido um dos motivos para o aumento dos divórcios no período da pandemia.

O professor de geografia Douglas Domiciano relata que é casado há  dez anos e sempre dividiu as tarefas domésticas com a esposa, para não sobrecarregar ninguém. Na pandemia não foi diferente. “A minha esposa cuida das roupas, eu da comida e da louça, cada fim de semana um lava o banheiro, ela organiza o lixo e eu coloco para fora, eu corto a grama e ela água as plantas.” Afirma.

Douglas e a esposa são professores, pelo fato de terem a mesma profissão, ele acredita que exista uma cumplicidade maior nos conflitos e no estresse do dia a dia. Na pandemia ele conta que a família seguiu rigorosamente  o cumprimento da quarentena, por esse motivo deu liberdade total para as crianças criarem e brincarem em casa. “Tem dias que damos aula remotamente ao mesmo tempo, ficamos em lugares distantes da casa e as crianças ficam sozinhas, um olho na aula e outro neles”, brinca o docente.

A psicóloga Bianca Casale, conta que algumas famílias tem dificuldade em lidar com os novos fatores ocasionados pela pandemia, a divisão de tarefas e a compreensão do casal é importante para resolver os problemas dessa nova rotina.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*