Rio Mogi Guaçu sofre com a estiagem

Rio Mogi Guaçu apresenta queda no nível de água FOTO: Isabela Guevara
Rio Mogi Guaçu apresenta queda no nível de água
FOTO: Isabela Guevara

O racionamento de água em todos os bairros de Araras começou no dia 16 de outubro, no período de 6h a 18h. A conferência de imprensa realizada no dia 15 pelo presidente do SAEMA (Serviço de Água, Esgoto e Meio Ambiente do Município de Araras), Carlos Cerri Júnior informou, no site da instituição, que a medida está sendo implantada por conta do agravamento da estiagem enfrentada em quase toda a região Sudeste do país.
A iniciativa de interromper a água para todos os bairros simultaneamente veio de uma decisão conjunta dos técnicos do SAEMA com o aval do Prefeito Nelson Brambilla. Segundo Cerri, isso ocorreu para que nenhum morador se sentisse penalizado caso houvesse rodízio no racionamento. Empresas de grande porte, como Nestlé e Citrosuco, e hospitais não foram afetados, e todos eles estão em um programa rigoroso de economia de água, além de possuírem seus próprios poços artesanais.
A cidade capta água de três lugares: Represa Antônio Meneghetti (Tambury), Represa Hermínio Ometto e Rio Mogi Guaçu. Todos esses locais sofrem as consequências da falta de chuva e calor excessivo, baixando o nível da água em seu quase mínimo. Para fins de preservação, a captação de água do Rio Mogi Guaçu pode ser interrompida a qualquer momento.
O Rio Mogi é responsável por 25% do abastecimento da cidade, e atualmente está com menos de um terço do volume total, deixando visíveis as pedras que ficam no fundo. Segundo Antônio Silva da Costa, 68, morador do bairro rural Cascata, onde o Mogi se localiza, o rio nunca esteve tão baixo, e ainda acrescentou: “Antes tínhamos que tomar cuidado com a água, porque a correnteza é forte, mas agora consigo chegar na mata do outro lado e a água não vai chegar nem na canela”.
Apesar das chuvas nos dois últimos fins de semana e o rio ter subido, a preocupação com a área é muito grande. A queda do nível da água provocou a diminuição de peixes na região, incluindo a temporada da piracema na Cachoeira de Emas em Pirassununga.
O SAEMA continuará com o programa de racionamento até que os níveis de água estejam estabilizados. Em seu site foi informado que para essa estabilização é necessário um índice de chuva de 30 milímetros durante um período de no mínimo 15 dias. É fundamental que a população continue economizando água ao máximo, mesmo quando tudo voltar ao seu estágio normal, e que caso vejam situações de desperdício comuniquem o disque-denúncia pelo número 0800 014 4321.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*